Olá!

Aqui você encontra vários tipos de textos. São reflexões, introspecções, filosofadas e relatos, tudo sob a luz do mosaico. Desejo inspirar você com a mesma arte que me inspira.

Se quiser conhecer os mosaicos que faço, visite minha fanpage "Lucano Mosaico" no Facebook, onde há fotos de tudo o que já foi feito por mim. :-)

Se deseja adquirir um mosaico, visite minha Loja Online no site Etsy (clique AQUI).

Para entrar em contato comigo basta deixar um comentário aqui no Blog. Você também pode entre em contato pelo e-mail: avertamatti@yahoo.com ou interagir no Facebook.

Onde há curvas, há sombras...

Certa vez uma querida colega escreveu que ao mudar de casa mudamos muito mais do que de casa. Essa afirmação não poderia ser mais precisa ou mais verdadeira. O novo endereço é resultado de uma sequência de outras mudanças e assim, quando nos olhamos no espelho, não estamos mais ali. Há uma outra pessoa. Quando a nova casa fica a um oceano de distância da antiga, o processo é drástico.

Por mais óbvio que isso seja, não há como saber de que maneira seremos afetados por tudo que não conhecemos. Não dá para saber de antemão quem seremos ao final do processo (se é que há um final neste processo). Ao retomar meus trabalhos da forma como fazia antes, algo havia se perdido. Perdeu-se na pausa, perdeu-se na distância, perdeu-se não sei onde e de forma irrecuperável. Tentei outra vez e de novo...nada. Ao mesmo tempo que tentava contemporizar o que estava acontecendo, havia um conteúdo desesperado para sair, como uma panela de pressão que já alcançou a fervura e cujo pino está prestes a entrar em órbita. Mas o meio que eu conhecia para para escoar tudo isso simplesmente não funcionava mais! Então concluí que era hora de romper com todos os preceitos que vinha seguindo, com padrões estéticos que muitas vezes não eram os meus e com as concepções de certo e errado. "Preciso me render a mim mesma", pensei. A esta altura a tal panela estava prestes a explodir. Então vamos começar com um projeto, certo? Sim! Então vamos falar da natureza, do sol que dita o ritmo da vida que conhecemos, do ar impregnado por essa força, esta energia, que chega à natureza pela água da chuva, indo parar no solo fértil. Ótimo! Tudo lindo! Então vamos lá!!! Só que esta forma de trabalhar funcionou como mais uma repressão...e panela explodiu. Decidi ir até o final do trabalho, do jeito que fosse, com correntes recém cortadas e feridas expostas. Foi doloroso, conflitante e necessário. Agora é daqui para frente. até onde for.

Dizem que a vida é uma estrada. A minha definitivamente não é uma estrada reta. A de ninguém, talvez. Onde há curvas, há muitas sombras, mas também há luz.









Um comentário:

  1. Adriana, não tem como fugir - "eu sou eu mais a minha circunstância". Entendo que o processo de te reinventares seja doloroso, mas, suponho, esse é o único caminho. E tu és tu + a tua circunstância, + inegavelmente a tua história. Acredito nas penas, nas dores do processo, do mesmo modo que acredito no teu incontornável sucesso.
    Um grande beijo da Nina

    ResponderExcluir

Olá! Tenho muito interesse em saber a sua opinião sobre esta postagem. Obrigada pela sua visita!