Olá!

Aqui você encontra vários tipos de textos. São reflexões, introspecções, filosofadas e relatos, tudo sob a luz do mosaico. Desejo inspirar você com a mesma arte que me inspira.

Se quiser conhecer os mosaicos que faço, visite minha fanpage "Lucano Mosaico" no Facebook, onde há fotos de tudo o que já foi feito por mim. :-)

Se deseja adquirir um mosaico, visite minha Loja Online no site Etsy (clique AQUI).

Para entrar em contato comigo basta deixar um comentário aqui no Blog. Você também pode entre em contato pelo e-mail: avertamatti@yahoo.com ou interagir no Facebook.

Dando asas à perua.


Dizem os especialistas que ao longo da vida nossas orelhas e nosso nariz não param de crescer. Além de outras partes do corpo, eu adicionaria à lista os anéis, os brincos e os colares. Eu fui um dia a discreta, adepta das bijuterias minimalistas. Qualquer acessório além dos mini brincos já era coisa demais. Mas, não sei por qual motivo, a regra foi perdendo efeito ao longo dos anos. Seria o signo solar falando mais alto? Seria a auto censura falando mais baixo? Pouco, muito pouco importa. Tendências "peruescas" assumidas, vamos tratar de expressá-las, afinal não é toda perua que gosta de legging com animal print, de dirigir SUV e de longas unhas decoradas. A minha jovem perua curte a tendência de andar a pé, prefere estampa floral em roupas largas e leves como o vento e mantém as unhas curtas e eventualmente coloridas (de preferência uma mão de cada cor). E para atender aos meus próprios anseios, achei que era uma boa fazer meu próprio colar, logicamente com influências musivas. 

Em outras ocasiões fiz minhas caminhadas por esses campos. A cada peça feita, tive a sensação de que ainda não tinha chegado lá, ou seja, ainda não tinha conseguido me expressar satisfatoriamente nas bijuterias. Agora dei mais um passo numa direção que para mim é boa. Vamos a ele:

Essa é a parte de trás. Como das últimas vezes, a base é feita com tampas de garrafa. Neste colar usei todas do mesmo tipo (Fritz-Kola).
 
Tirei a borda ondulada das tampinhas e preenchi cada uma com pequenos mosaicos de stained glass, miçangas, areia de espelho e contas de vidro.


As peças de vidro foram o elo de ligação entre as tampinhas.
Sim, um guizo para finalizar. Porque eu gosto, porque é lúdico, porque me traz lembranças da juventude.

Belo! Muito belo!

Dá para usar bem próximo do pescoço.

Ou deixar mais comprido, descendo pelo colo.
A sensação de "quase lá" me diz que falta dominar essa caminho que vai desde o que existe dentro da cabeça até as mãos. É um processo curioso esse. Freqüentemente me perco nas curvas ou pego atalhos. O problema destes desvios é não chegar no destino final. A gente chega, mas chega em outro lugar.

Criar e executar também envolve disciplina e, às vezes (ou sempre), a criança interna não fica muito contente com essa história. Ela quer sair pulando e cantando, pisando em poças d'água, deitando na grama, correndo no mato, voando entre nuvens, cheirando flores para sentir se são perfumadas... Sempre há o dilema de quem deve falar mais alto: a disciplina ou a liberdade? Alguém uma vez disse que se a primeira ameaça a segunda, é o momento da segunda falar mais alto. Neste ponto a gente precisa tomar um certo cuidado para não descambar para a boa e velha putaria. Parece, então, que tudo se resolve com o famoso "meio termo". Difícil...bem difícil. É muito mais simples ficar em um ou outro extremo, mas aí não se chega onde se quer chegar. Já pensou nisso? Dilemas, meus queridos, dilemas! A boa notícia é que enquanto estamos vivos, podemos aprender. Que siga o baile!

Até a próxima!
__________________________________________
Visite minha loja Online na plataforma ETSY. É só clicar AQUI.

A metade azul.

Primeiro nasceu a metade verde. Agora nasce a metade azul.

Enquanto eu estava submersa nessa onda de cor fria, achei graça dos meus vãos esforços em fazer crescer a pilha dos materiais de cores quentes. Nunca aconteceu. A pilha dos materiais azuis é o dobro das outras. Tenho uma lembrança de mim mesma ainda criança e muito consciente da minha predileção pelo azul. Hoje me considero arco-íris, mas admito essa atração azulácea. Já percebi que tenho um certo ciúme das "minhas cores". Outro dia estávamos na estrada, indo ainda mais para o sul e aparece uma placa dizendo que a Bavária é a "terra azul". Fiquei furiosa! Com que direito se auto intitulam azuis? Achei um absurdo. Também teve a vez que precisei trocar meus óculos de sol. Compramos os novos pela internet e ao experimentá-los percebi que o céu ficava muito mais azul. Que alegria! Ando por aí com o olhar altivo (escondido pelas lentes) de quem vê um céu azul que ninguém mais vê. É o meu céu azul. Sentimentos possessivos à parte, vamos a este mar de vidro tão rico e tão profundo...

Eis o topo da garrafa. Gemas de vidro (que amo tanto quanto chocolate), os botões doados na rua, as bijouterias aposentadas, as miçangas (amo tanto quanto café com canela), os espelhos, as pastilhas de vidro, as contas da pulseira nunca usada...

...as conchas também recolhidas das doações de rua - agora também azuis - ladeando as pedras naturais que ganhei da minha mãe para fazer o que quisesse, o vidro fusing...

O coração artesanal comprado na lojinha de vidros artesanais que encontramos em alguma viagem, as pastilhas redondas compradas com desconto porque eram refugo de produção...

...a suavidade da madrepérola que jurei nunca mais comprar por pena das ostras...


...a textura perfeita da concha ressaltada pelo azul que causou inveja nos materiais fabricados pelo homem...

...o caos organizado pela obsessão de detalhes, a conta solitária da época em que comprava potinhos com restos de contas de vidro na região da rua 25 de março só porque achava bonito e sem saber o que faria com aquilo...


...as fatias de rolha decoradas com o fumacê do pirógrafo e decorando as laterais...

...o meu mar azul de recolhimento, minha voz solitária e meu local seguro.

A alegria é (também) azul.

Mais um capítulo foi acrescentado na parede que conta uma história.
Acho que já devo ter comentado recentemente que há algum tempo não compro pastilhas. Entrei numa pira de usar o que tenho até o final. Mas se encontrar alguma coisa na rua vale também (domingo achamos um botão de vidro! :-) ). Isso porque tenho uma sensação constante de que a vida, frágil como só ela, pode se esvair a qualquer instante. Não faz sentido deixar prateleiras e mais prateleiras de material para trás. Quero que todos eles passem pelas minha mãos, pois eu os desejei profundamente no instante da compra. Nessa tentativa de viver a paixão um dia sonhada, percebi que com materiais muito simples dá para chegar em um visual rico, dentro do meu gosto e do meu conceito de riqueza visual. Isso, essa micro sensação de poder e completude, me causou alegria. Por esse momento, sou grata.

Até a próxima!
________________________________________
Visite a loja Online na plataforma ETSY com os meus trabalhos que estão à venda. É só clicar AQUI.

Porque fazemos o que fazemos

Ela me escreveu contando que o marido, que até hoje nunca conseguiu entender sobre aquilo que lhe encanta, havia quebrado a luminária que ela comprou no final do ano passado. Ela estava triste e disse que gostaria de saber se algum dia eu faria uma luminária similar àquela. Apenas essa conversa, sem garantia de nada, foi suficiente para colocar na lista de tarefas uma nova luminária. Sendo mais sincera, foi suficiente para colocar essa tarefa na frente de outras tarefas. Sim, sem garantia de nada, afinal nada está garantido nessa vida que levamos, não é?

Mas por que um pedido sobre uma possibilidade no futuro tem tanto poder sobre mim? Porque ele traz uma conexão. Alguém em algum lugar entendeu o que eu faço e esse entendimento é que parece dar sentido a muita coisa.

Quem escolhe trilhar um caminho que não é convencional, rapidamente aprende que fará parte do trabalho ouvir uma boa cota de coisas nonsense, que vão desde a suposição de que você deveria arrumar um trabalho "de verdade" e fazer isso aí como um hobby até uma lista de adjetivos pejorativos sobre sua existência. Com tudo contra ou muito pouco a favor, a gente continua. E por que fazemos isso? Para mim, a resposta parece simples: porque é isso que somos. Essa é nossa verdade. Fazer outra coisa tornaria pessoas como eu muito infelizes, com almas miseráveis e, só aqui entre nós, o mundo não precisa de mais gente infeliz. A caminhada sempre será difícil, para todo mundo sem exceção, mas não precisa ser um completo desastre. Cada vez que alguém entende o que faço ou entende a minha motivação é para mim um momento onde tudo faz sentido. Por alguns minutos tudo valeu a pena, tudo se encaixa.

Essa é luminária "Ondas", versão 2.
Com a luz da vela as cores bailam fluidamente.
As miçangas, as pastilhas de vidro, o Vidrotil, os vidros de garrafa o stained glass...todos se unem nesse movimento sinuoso e infinito.

"Ondas" 2 e todas a suas faces.
Um poço dos desejos numa cascata de cores.

Eu faço o que faço porque acredito na transformação, acredito que pouquíssima coisa é realmente descartável e que muita, muita, muita coisa pode ser usada novamente. Eu faço o que faço porque acredito que não estamos aqui a passeio e cabe a nós mesmos buscar soluções para os problemas que nós mesmos criamos. Eu faço o que faço porque essa é a forma que eu vejo o mundo e não acredito ser possível viver os meus dias sob um olhar, uma intuição ou um amor que não sejam os meus próprios. Ainda que eu não saiba onde tudo isso vai dar, eu sinto que é nessa direção que eu devo caminhar. Quem sabe a gente não se encontra lá...seja lá onde for.

Até a próxima!
_________________________________________
Venha visitar minha loja Online. É só clicar AQUI!