Olá!

Aqui você encontra vários tipos de textos. São reflexões, introspecções, filosofadas e relatos, tudo sob a luz do mosaico. Desejo inspirar você com a mesma arte que me inspira.

Se quiser conhecer os mosaicos que faço, visite minha fanpage "Lucano Mosaico" no Facebook, onde há fotos de tudo o que já foi feito por mim. :-)

Se deseja adquirir um mosaico, visite minha Loja Online no site Etsy (clique AQUI).

Para entrar em contato comigo basta deixar um comentário aqui no Blog. Você também pode entre em contato pelo e-mail: avertamatti@yahoo.com ou interagir no Facebook.

Faça-se a lu...minária!

São vários os sentimentos capazes de nos mover. Esperança, raiva, curiosidade, convicção, esses e outros tantos estados de espírito são capazes de nos fazer dar um passo em outra direção. Ultimamente a força que me conduz é a saudade, uma saudade generalizada que vai dos acontecimentos recentes até um passado distante.

Não é de hoje que prefiro permitir que os sentimentos venham, fiquem e depois partam. Não há porta escancarada o suficiente capaz de fazer a melhor alegria do universo entrar e nem porta trancada o suficiente capaz de manter do lado de lá a tristeza mais profunda. Então é melhor que venham, é melhor que convivamos um tempo, que nos olhemos diretamente nos olhos, aprendamos alguma coisa um sobre o outro para, a seguir, nos separarmos novamente.

Com a saudade instalada aqui em casa - e ela ocupa todos os cômodos desse apartamentinho - sentamos para fazer não uma luminária, mas uma sessão de recordações. Houve descoberta, houve encanto, houve abismo, houve um punhado de pequenos detalhes que só agora sou capaz de entender. Fizemos uma celebração serena sobre o que passou. Agora tento ver quais os caminhos que podem estar à frente. Tento sozinha mesmo, porque acho que a saudade não é muito boa em fazer planos.

Uma vez montada a base, decidi que para revestir queria usar pastilhas avulsas, ou seja, aquelas que vão sobrando e que a gente junta tudo num pote. Também escolhi usar vidro transparente, dando uma segunda vida a um pote de conserva cuja missão de conter alguma coisa já fora cumprida. E gemas! Claro! Na verdade, se fosse possível, eu comeria gemas de vidro porque as acho lindas demais (é normal desejar comer uma coisa que consideramos bonita?). Ciente que meu sistema gastro intestinal é incapaz de digerir vidro, uso as gemas na luminária mesmo.

A diversão maior veio de usar as pastilhas randomicamente. É claro que durante o processo vou colocando alguns critérios para preservar a harmonia, mas nada rígido demais, senão não teria como o acaso participar e eu gosto de saber o que o acaso tem para me dizer.

Assim, depois de alguns dias, eu, a saudade e o acaso concluímos essa luminária. Não sei eles, mas eu gostei muito, muito, muito do resultado.


Olhando assim, de frente, ela parece séria.

Mas é só mudar o ângulo que já dá para ver o sorriso dela.

Ela é quadrada por força das circunstâncias.

Mas ela se sente meio redonda, circular.

Não tem começo.

E também não tem fim.

Desde que ela ficou pronta, de quando em quando vou até a prateleira só para senti-la com as mãos. Ela é nova, mas me parece antiga. Parece que está ligada há algo muito antigo que há em mim, mas eu não sei dizer o que é.



Na escuridão sempre há uma brecha para a passagens da luz. Isso consola e acolhe.

Mas quando é invadida pela luz do sol, sua plenitude se revela.
Por aqui caminhamos agora para uma fase que chamo de "recolhimento forçado". Por maior que seja o seu desejo de extroversão, ele será tolhido pela pouca luz e pelo frio. Somos obrigados a um desafiador período de introspecção que exige de nós concentração e disciplina a fim de que nossa chama interna não se apague.

Tento ver estes períodos (sejam eles literais ou figurados) como uma oportunidade silenciosa e solitária de conexão íntima, um momento de (auto)aceitação, de apaziguamento para que se possa, quem sabe, brotar e desabrochar em cores quando a primavera chegar.

Até a próxima!

________________________________________
Visite a Loja Online para ver os mosaicos que faço. Basta clicar AQUI.

O mosaico é meu espelho.

Toda vez que a gente estuda alguma coisa, recebemos um pacote de regras e parâmetros que, dali para frente, deve ser aplicado. Essa é a teoria. No decorrer dos anos, constato repetidamente que tenho uma dificuldade com isso. Acho que devo ser a personificação do desgosto para meus professores. Não consigo honrar suas regras. Não que exista algo de errado com elas, porém eu as entendo como um ponto de partida para um outro lugar e não um fim em si mesmo. Acredito que se não permitirmos que nossa mente dance livremente, sem coreografia, ficaremos todos repetindo os mesmo passos e isso é muito triste (para mim). Como estamos todos vivendo numa mesma era, (teoricamente) num mesmo mundo, o conforto da inércia nos conduz à reprodução do que já existe. Aí alguém resolve mudar uma vírgula ou duas ou três...e todos passam a mudar uma ou duas ou três vírgulas. Isso não diminui o valor de tudo que é feito, mas acho que não faz jus ao universo infinito que é um indivíduo, à toda percepção única da qual uma pessoa é capaz. É por isso que tenho uma relação meio arisca com regras, ou melhor, com o uso que fazemos das regras.

O mosaico foi o campo vasto que me mostrou este aspecto de mim mesma. Um dos trabalhos que mais gosto de fazer é o de revestir garrafas. Acho mágico e lindo. Desde que fiz o curso, minhas garrafas foram mudando na mesma medida que fui deixando de seguir as regras. E isso aconteceu porque algumas delas impediam minha expressão. É a sensação de usar uma roupa apertada, entende? Então escolhi a liberdade e sei que, muitas vezes, faço isso em detrimento da técnica ou de parte dela. Mas liberdade é esse ópio capaz de nos conduzir à própria paz...fica difícil de abrir mão. Escolhas, meus amigos! A vida é feita de escolhas...

Eis aqui meu mais recente sussurro de liberdade. Eu só sabia que queria usar essas pétalas de vidro vermelho. O que se seguiu foi aquela conversa entre mim e o vidro, permitindo à espontaneidade dizer onde cada peça deveria ser colocada.


Aqui preciso abrir um parênteses só para dizer que me apaixonei por essa lateral. Gostei dela infinitamente mais do que da parte da frente.




Agora, veja que interessante: o aspecto final desta garrafa não me mostra um resultado inédito. Quero dizer, esse padrão geométrico, especialmente da lateral, é familiar para mim. De onde exatamente eu não sei, mas tenho a sensação exata de que isso já existe em algum lugar. Não é impressionante? Ainda que eu diga para minha mente "vai para onde você quiser, do jeito que você quiser", de alguma maneira trilhei um caminho conhecido. Daí eu entendo que entre escolher a liberdade e efetivamente desfrutá-la existe um abismo imenso a ser transposto. E por que eu faço questão de perseguir algo abstrato e distante? Bom, poderíamos passar dias tentando formular a resposta, mas resumindo porcamente é porque sinto que a minha verdade está do lado de lá daquele abismo, acenando e sorrindo para mim.

Beijos a todos que tentam voar e até a próxima!

___________________________________________
Visite a minha loja Online no site Etsy clicando AQUI.