Olá!

Aqui você encontra vários tipos de textos. São reflexões, introspecções, filosofadas e relatos, tudo sob a luz do mosaico. Desejo inspirar você com a mesma arte que me inspira.

Se quiser conhecer os mosaicos que faço, visite minha fanpage "Lucano Mosaico" no Facebook, onde há fotos de tudo o que já foi feito por mim. :-)

Se deseja adquirir um mosaico, visite minha Loja Online no site Etsy (clique AQUI).

Para entrar em contato comigo basta deixar um comentário aqui no Blog. Você também pode entre em contato pelo e-mail: avertamatti@yahoo.com ou interagir no Facebook.

Amor pela metade

    Acho que o tema é repetido, mas nossas contendas são assim mesmo. Gastei várias horas de vários dias pensando em quando me senti bem com a minha imagem. Se eu fosse Jack, o estripador, estaria tudo certo pois gosto de uma coisa aqui, outra ali, outra acolá, mas unindo os pontos não dá uma pessoa inteira. No meio das elocubrações, 80% delas descartáveis, me perguntei se isso nunca vai ter solução. O que acontece, mais precisamente, é que a imagem do espelho não reflete fielmente a maneira como me sinto. Não mesmo! Sem saber o quão grave isso pode ser, fiz uma pergunta muito importante a mim mesma: por que eu como mais do que preciso? Dá para derivar por um milhão de caminhos e cada um deles terá uma resposta pertinente. Talvez todas essas vertentes se encontrem no nosso corpo emocional subdesenvolvido, totalmente stupidificado, mal formado, uma besta voraz. Não consigo compreender como dia após dia, ano após ano, década após década, cada um de nós atenta contra o próprio bem estar. Tenho certeza de que não estou sozinha nisso e sei que cada um se fere em algum momento com algum instrumento de qualquer natureza. Não esqueço quando, no meio de uma conversa sobre tudo e nada, um sujeito percebeu que eu não tomava bebida alcóolica. Quis saber se era algo passageiro ("está tomando antibiótico?"). Expliquei que há tantos anos decidi não ingerir mais álcool. Por quê? Porque me faz mal (este foi o motivo da época, hoje posso fazer uma lista e falar horas a respeito). O sujeito cruzou ou braços, franziu o cenho, entortou a cabeça e disparou: "mas como você faz para se divertir?" Então ele explicou que considerava impossível divertir-se sem ingerir álcool. Tirando o fato de que esta foi  uma das coisas mais tristes que já ouvi na vida, me vi absorta pensando no números de encrencas que o sujeito já havia arrumado para si por estar bêbado, ficar inteiramente revoltado com estes problemas mas não deixar de beber. Acho que faço a mesma coisa. Só que o meu vício é outro. Se a causa e a consequência parecem tão claras, qual é a dificuldade em exterminar a primeira para não ter mais a segunda? Ansiedade. Ok. Angústia. Tá. Solidão. E o que mais? Tudo bem, pode haver um sem número de sentimentos que nos desequilibram, mas por que ele dominam? É por isso que não aceito as fórmulas mágicas. Elas miram nas consequências e não nas causas. No meu exemplo próprio, comer a mais já é uma consequência. Os quilos a mais são consequências das consequências. 
    A minha frustração surge porque há aquele pontinho lá fundo que me diz "poxa, você merece mais do que isso". Sim, sinto que eu, você e todo mundo merecemos nos sentir radiantes, plenos e trasbordantes de energia. Sinto que nós não devemos mais ser reféns de nós mesmos e não tenho a menor idéia de como fazer isso, porque teorizar toda esta história não resolve os momentos cotidianos.
    Hoje me dispus a não comer nenhum doce. Só por hoje. Vamos ver. Até agora, 15:53, a minha louca interna não atacou. Não sou favorável de coisas radicais, mas neste momento parece que se eu não experimentar o rigor não conseguirei mergulhar fundo na podridão que me sabota. A intenção seria extender isso por muitos dias e encarar a abstinência bem nos olhos. Em algum momento terei que desenvolver um amor melhor por mim. Vamos ver...o que não quero mais é experimentar o sabor amargo da minha derrota pessoal, do emocional claudicante, da covardia autodestrutiva.

(incensário com gavetas)


4 comentários:

  1. Mais um primeiro passo da corajosa Dri!

    ResponderExcluir
  2. Cara Prima, não gosto de vender ilusões ou de indicar formulas magicas, mas aqui vou me permitir falar um pouco além do que de costume uma vez que você me proporciona esta possibilidade indicando sempre que há algo de novo neste meio de comunicação. Inicio a minha explanação sobre o caso direcionando tudo para o que ocorreu comigo. Há exatos 3 meses eu mantinha minhas atividades normais e já contava com 90 quilinhos bem distribuídos, muita massa, doces e coisas do tipo que servem para que se esgote aquela ansiedade latente e presente em qualquer ser humano normal. O problema é que isto não tem fim, uma coisa leva a outra e acabamos comendo pela ansiedade e a ansiedade volta, então temos que comer cada vez mais para suprir esta necessidade e daqui um pouco estamos com 90 quilos e incapazes de subir uma escada sem colocar o coração pela boca. Bem, outro dia vendo um canal da tv fechada me deparei com uma cirurgia do coração onde o médico retirava o que parecia ser um fio de gordura de dentro de uma artéria e posso dizer que isto mexeu comigo. Entendi que seria hora de resolver este problema de uma vez por todas, pois não aguentava mais. Pouco tempo atrás fui abordado por uma prima minha de Franca indicando um produto que, nas palavras dela, seria a única saída para o caso, me comparando a ela e dizendo os benefícios que este lhe havia proporcionado. Tirei da minha frente o descrédito e resolvi assumir esta briga. Foi-me indicado um chá natural que me proporcionou a diminuição da ansiedade juntamente com outro que me dava mais disposição para o dia, tudo natural, além do mais as minhas nutrições foram direcionadas para o produto de forma a suportar a ansiedade e compulsão pela comida. Desta forma, substitui duas refeições diárias e na outra (normal) fui informado que havia um produto de fibras que auxiliava na diminuição de absorção de gorduras. Bem, hoje estou com 12 quilos a menos e bem mais disposto. Isto me auxiliou a rever os meus hábitos alimentares e direcionar a minha vida para um caminho mais saudável. Estou tão contente com os resultados que investi nisto e hoje sou um Distribuidor Independente desta empresa. Espero ter te auxiliado em alguma coisa. Qualquer duvida, pergunte-me como fazer. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Que dizer, que comentar, que opinar?
    Nesse texto você vai fundo, caramba, você "dá nome aos bois", como se diz por cá.
    É cirúrgica a dissecação, é implacável, de bisturi em punho. Me senti visada, porque, como tu, eu, burra, me saboto.
    Parece-me que tudo é o questão de consciencialização, de atenção.
    Se não me saboto com a comida ( que saboto...), é com as compras ou com o deixar passar, seguindo o percurso mais fácil, mais falsamente pacífico.
    Adriana, li um livro extraordinário que aborda este assunto.
    Não recordo o nome, mas vou procurá-lo para te informar e talvez queiras lê-lo.
    Reli-o 3 ou 4 vezes e sempre conclui que, na altura, mudava a minha vida.
    O problema é que me esqueço, me deixo engolir pelo sistema.
    Fez-me bem este texto. Parei e pensei. Como só tu e algumas mais poucas pessoas conseguem assim que me detenha.
    Obrigada por pensares alto com tanta clareza e clarividência.
    Obrigada por teres cruzado o meu caminho.
    Obrigada por teres permitido a ponte que nos une.

    ResponderExcluir
  4. Adriana, achei o livro!

    UM MUNDO NOVO
    Eckhart Tolle

    Se não encontrar, diga que terei muito prazer em enviar-to.
    Beijo

    ResponderExcluir

Olá! Tenho muito interesse em saber a sua opinião sobre esta postagem. Obrigada pela sua visita!