Olá!

Aqui você encontra vários tipos de textos. São reflexões, introspecções, filosofadas e relatos, tudo sob a luz do mosaico. Desejo inspirar você com a mesma arte que me inspira.

Se quiser conhecer os mosaicos que faço, visite minha fanpage "Lucano Mosaico" no Facebook, onde há fotos de tudo o que já foi feito por mim. :-)

Se deseja adquirir um mosaico, visite minha Loja Online no site Etsy (clique AQUI).

Para entrar em contato comigo basta deixar um comentário aqui no Blog. Você também pode entre em contato pelo e-mail: avertamatti@yahoo.com ou interagir no Facebook.

A remissão dos nossos pecados.

    No final do dia 25 tenho a sensação de que fui atingida por um furacão. Eu pude vê-lo chegando e permaneci no lugar sem poder me esconder. Então ele passa. Mexe com toda a ordem. O que está guardado lá no alto do armário é posto em uso e o que é usado no cotidiano fica então soterrado. Durante a hecatombe não dá para pensar com clareza, agir com precisão ou sentir com sutileza. É o momento no qual a única hipótese é a entrega. Impossível fingir que nada acontece. Impossível dizer que a ferida sangrando não está exposta. Mas tudo passa. Tudo mesmo! O que é ruim, o que é bom e o que nem foi devidamente notado. Então eu olho para trás. Não consigo ver muita coisa porque o cansaço ainda pesa, mas tenho nas mãos três pérolas que permaneceram após a tempestade: o canto singelo e sincero, a cumplicidade sentida e silenciosa e a gratidão humilde e espontânea. Acredito que são os presentes que recebi neste ano e o resto coloco junto ao lixo reciclável.
    Saímos, então, para ver quem ainda está vivo e quem não conseguiu passar por mais um Natal. A cidade está deitada na rede, balançando bem devagar, deixando a inércia ditar o ritmo. Existe silêncio! Existe calma! Até ela, esta cidade promíscua e dissimulada, deixou de representar seu papel. Tudo está fechado. Somente algumas poucas farmácias se apiedaram dos excessos dos outros e abriram suas portas. Tudo o mais está fechado. No dia 25 não há nada que se diga "24 horas". Só por um dia esta cidade de beleza e identidade perdidas reconhece que também exagerou, passou dos limites, oprimiu, sufocou. Neste dia ela pede desculpas. Muito sem jeito, é verdade. Mas eu as aceito. Entendo que ela é também vítima nesta história e sofre em dobro: pelas ecolhas que fez e pelas que fizemos por ela. Neste dia ela tem piedade de nós e nós dela. Compreendemos nossas fraquezas. Por hora isto basta. Sabemos que tudo voltará paulatinamente ao caos, mas por alguns segundos nos reconhecemos e relembramos que ela me deixava andar de bicicleta no seu marco central e que haviam luzes de todas as cores, e que não piscavam, em suas árvores. Sabemos, eu e ela, que nada disso voltará, mas naqueles instantes ficamos satisfeitas em ter memórias mais nobres do que nossos dias atuais. Eu a perdôo ao menos por um dia. Ela não me insulta ao menos por um dia. Ambas passamos pelo mesmo furacão e sofremos do mesmo mal. Amanhã ela nem lembrará mais que eu existo e eu voltarei a falar mal dela pela mais pura dor de cotovelo.


2 comentários:

  1. O que fazer????
    A gente tenta,mas o Natal não deixou de ser um furacão também para mim.Faço de tudo para curtir como pede o " figurino" ,mas sempre fica a sensação de que se faz muito para pouco tempo.
    Parece que a Tia Cecília está descobrindo a solução: quem sabe possamos aprender com ela para que o Natal se transforme em algo mais leve...
    bjs
    Mamunka Preta

    ResponderExcluir
  2. Boa Dri. Pelo menos uma vez ao ano, depois de toda a bagunça, temos a oportunidade de ver tudo assim, parado, em stand by... Eu gosto de ver o mundo assim... Bela descrição! Beijos!!!
    Andrea

    ResponderExcluir

Olá! Tenho muito interesse em saber a sua opinião sobre esta postagem. Obrigada pela sua visita!